Informação sobre caxumba, causas, sintomas e tratamento da caxumba, identificando formas de a diagnosticar.


Caxumba

A Caxumba é uma doença inflamatória causada por um vírus (paramixovírus) que se aloja nos ductos intercalares das parótidas. A transmissão se faz por gotículas de saliva durante a fala, espirro, tosse ou pelo contato direto boca a boca. O vírus penetra pela boca ou nariz e atinge a via circulatória, tendo afinidade pelas glândulas salivares e pelas gônodas, mas também podem causar lesões no pâncreas, tireóides e Sistema Nervoso  Central. O período de incubação é de duas a três semanas. O primeiro contato com o vírus confere imunidade. O portador da doença é contagioso a partir de um dia antes da eclosão da sintomatologia, até o 14º dia após o desaparecimento total dos sinais e sintomas.
A primeira manifestação clínica que ocorre é o aumento de volume uni ou bilateral da parótida, resultando no sinal típico da doença, que é o levantamento do lóbulo do pavilhão auditivo.
O pico do aumento da parótida, ocorre no 2º ou 3º dia, quando a dor é mais intensa. A mastigação ou qualquer outro procedimento que estimula a salivação como alimentos cítricos, tendem aumentar a dor. A glândula parótida aumentada, propicia , à palpação, aspecto firme e, apesar de se apresentar mais aquecida, não se observa em geral eritema. A região adjacente à emergência do ducto parotídeo apresenta edema, eritema e à ordenha, notamos diminuição do fluxo salivar e saliva mais viscosa. Esta enfermidade pode acometer ainda as glândulas submandibular e sublingual, sendo que qualquer uma delas afetada confere a imunidade ao vírus. O indivíduo infectado apresenta sintomatologia inespecífica, como febrícula, cefaléia e inapetência. A caxumba pode ser acompanhada de orquite e, por vezes, de meningoencefalite.
O diagnóstico é clínico e o tratamento de suporte, não existindo uma terapia específica e eficiente. A fisoterapia através de calor é indicada. Repouso, alimentação adequada, antiinflamatórios, analgésicos e antipiréticos são úteis, bem como antibioticoterapia para prevenir infecções oportunistas, principalmente pela diminuição do fluxo salivar e, consequentemente, penetração retrógrada de microorganismo no ducto parotídeo.
ACOMPANHE OS ARTIGOS DO BLOG NO SEU EMAIL